Ser templo!

“E disse o Senhor a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal” – Jó 1:8.
Conhecemos a história de Jó e como sua vida foi alterada drasticamente num único dia, entretanto, as vezes nos falta crer da mesma forma que Jó cria no mesmo Deus que ele professava conhecer… E olha que ele se encontrava exatamente na outra ponta do progresso humano.

Deus, em um tipo de batalha que foge a compreensão humana, empenhou Sua palavra em defesa de seu servo Jó, quando disse a Satanás: Observaste tu a Meu servo Jó?

Hoje, em cada esquina encontram-se igrejas ou comunidades para qualquer pessoa frequentar ou congregar. Há Bíblias de todos os formatos e tamanhos e preços para qualquer um que se disponha adquirir, ler e estudar. Além disso, há os programas de TV, rádio, internet, e inúmeros outros meios para que de alguma forma a Palavra seja conhecida, pregada e vivida. Então, a pergunta que se segue é: Será que Deus empenharia Sua Palavra por nós, tal qual aconteceu com Jó?

Talvez arrazoemos: Mas, Jó era Jó e nós estamos noutro tempo…

Pois bem, estamos mesmos em outro tempo…

Ainda que alguns estudiosos supõem que Jó nunca existiu, por outro lado, a Bíblia faz menção dele em outros locais, como (Ezequiel 14:14, 20 e Tiago 5:11), portanto, não se trata apenas de um conto, fábula ou novela. Ele foi real e sua história é real. Inclusive, citado em Ezequiel na antiguidade como exemplo de justiça. “Ainda que estivessem no meio dela estes três homens, Noé, Daniel e Jó, eles pela sua justiça livrariam apenas as suas almas, diz o Senhor Deus” – (Ezequiel 14:14).

Portanto, este homem que viveu em tempo tão remoto – que não existia o Tabernáculo Sagrado para que Deus se manifestasse entre os homens, como foi a partir de Moisés… Também no seu tempo não havia o Templo Sagrado que, construído por Salomão, com toda sua riqueza e pompa, cuja finalidade também era adoração à Deus… Igualmente não havia igrejas, comunidades e inúmeras outras formas de “busca ao sagrado” como a que vivenciamos na presente era, no entanto, o Senhor disse a respeito dele: “Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal”.

Ao nosso ver, Jó não tinha onde se agarrar! Por um lado ele não estava desgostoso com essa igreja; aquele pastor; aquela denominação… Por outro, não tinha sequer um local de adoração como um tabernáculo ou um templo. Mas, ele era fiel, mesmo tudo isso que conhecemos como locais, formas ou maneiras de adoração – simplesmente não existirem…

Olhar para Jó, sua história, seu sofrimento e sua perseverança, sua fé, é como que olhar para a eternidade e já vê-lo como uma testemunha contra a infidelidade de tantos que possuem inúmeras formas de adoração, no entanto, não se desviam do mal.

Jó, em tempos remotos – antes mesmo da existência do tabernáculo, do templo e da igreja – ele era o tabernáculo de Deus e o templo de Deus, assim como nós devemos ser, pois, para isso o Espírito Santo foi por Jesus enviado.

“Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo” – (1 Coríntios 3:16-17).

Por Vilson Ferro Martins – www.vozdotrono.com.br

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail