Uma alegria momentânea

“…não sabes tu que…desde que o homem foi posto sobre a terra…que a alegria dos ímpios é momentânea?”
Jó 20.4,5
Zofar, estava equivocadamente repreendendo seu amigo Jó, supondo que era um homem ímpio, quando, na verdade, Jó era o homem mais piedoso da terra. Entretanto, o que disse é uma verdade incontroversa: o júbilo dos perversos é breve e a alegria dos ímpios é momentânea. Com isso, a palavra de Deus está acentuando que existe alegria real e alegria fictícia; alegria permanente e alegria passageira; alegria que tem substância e alegria que se evapora com as circunstâncias.

A alegria do ímpio é fundamentada em riquezas e prazeres. As festas, banquetes e diversões oferecem uma certa alegria. Porém, essa alegria é rasa, postiça e não suporta a prova. Vai embora cedo. Deixa desassistidos de esperança aqueles que dela se alimentam. O júbilo do perverso tem brilho, mas não conteúdo; tem emoção, mas não concretude; tem turbilhões arrebatadores, mas não paz permanente.

Aqueles que se abastecem nos banquetes da iniquidade, gozam prazeres efêmeros, mas vivem desassossegados permanentemente. Bebem todas as taças dos prazeres, mas jamais se satisfazem. Isso, porque, a verdadeira alegria não é aquela que procede do pecado, mas a que emana da íntima comunhão com Deus. Sem santidade não há felicidade. Só na presença de Deus há plenitude de alegria e delícias perpetuamente!

Referência para leitura: Jó 20.1-29

Fonte: LPC

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail