“Bendito seja Deus, que não me rejeita a oração.” (Salmos 66.20)

Ao considerarmos o caráter de nossas orações passadas, se o fizermos com sinceridade, ficaremos repletos de admiração ante o fato de que Deus as respondeu. Talvez alguns imaginem que suas orações são dignas de aceitação, assim como o faziam os fariseus. O verdadeiro crente, numa retrospectiva mais iluminada, lamenta por suas orações. Se ele pudesse voltar atrás em seus passos, desejaria orar com mais fervor.

Crente, lembre-se de quão frias têm sido as suas orações. Em sua oração secreta, você deveria lutar como Jacó. Em vez disso, as suas petições têm sido poucas e frágeis – bem distantes daquela fé humilde, perseverante e confiante que clama: “Não te deixarei ir se me não abençoares” (Gênesis 32.26). Apesar disso, afirmamos com admiração, Deus tem ouvido suas frias orações. Ele não somente as tem ouvido, mas também respondido. Considere igualmente o quão infrequentes têm sido as suas orações, a menos que tenha passado por problemas, e então, tenha recorrido com frequência ao trono de misericórdia.

Mas quando a libertação vem, onde vai parar sua súplica constante? Contudo, embora você tenha cessado de orar como fez, Deus não cessou de abençoá-lo. Quando você negligenciou o trono de misericórdia, Deus não o abandonou, mas a luz brilhante da Glória tem estado sempre visível entre as asas do querubim. Quão admirável é o nosso Deus, que ouve as orações daqueles que O buscam quando têm necessidades urgentes e O negligenciam quando recebem uma misericórdia. Eles se aproximam de Deus, quando são forçados, mas esquecem de buscá-Lo, quando as misericórdias são abundantes e as aflições, escassas!

Que a graciosa bondade de nosso Senhor em ouvir tais orações motive nosso coração, de modo que daqui para frente sejamos encontrados com “toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito” (Efésios 6.18).

Por: Charles Spurgeon. © 2016 Ministério Fiel.
Fonte: Voltemos ao Evangelho

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail