Nossa Perseverança!

“Mas desejamos que cada um de vós mostre o mesmo cuidado até ao fim, para completa certeza da esperança; para que vos não façais negligentes, mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas”- Hebreus 6:11-12
É sabido que nas Sagradas Escrituras encontram-se mais de quarenta mil promessas para os filhos de Deus.

Também é sabido que existe um “Não Temas” para cada dia do ano. Inclusive um para o dia de hoje! Isso sem contar com inúmeras palavras de ânimo, apoio, convicção, ajuda, esclarecimentos…, Mas muitas vezes nos sentimos “pra baixo”. Nem parece que no dia anterior estávamos cheios de alegria e com fé a ponto de transportar montes…

Quando meditamos nessa palavra que o escritor aos Hebreus deixou, percebemos a preocupação para que tal sentimento não se abatesse sobre os amados do Senhor. Entenda: Não se abate sse no sentido de vir e ficar; pois, bem sabemos que “desânimo” é um sentimento que se abate sobre todos.

Ele sugere que nós devemos nos deixar levar pelo que É PERFEITO, porque Deus não é injusto para ficar esquecido do trabalho e do amor evidenciado para com o Seu NOME. Todavia, é necessário continuar mostrando até o fim à mesma diligência. Aqui é que entra a nossa perseverança!

A qualidade do diligente é ser zeloso, cuidadoso, ativo, pronto, rápido, vigilante, atento, aplicado, trabalhador, entre outras qualidades.

Agora, o que é contrário a “diligente”? É ser “indolente”; ser tíbio.

Note a preocupação do escritor aos Hebreus em aconselhar que cada um continue mostrando até o fim à mesma DILIGÊNCIA, para não se tornar INDOLENTE, ou seja, não se tornar insensível à dor, negligente, apático, desleixado, descuidado, sem atividade, lento de movimentos, ocioso, preguiçoso.

Por pequena que seja a no ssa abertura diante de Deus, será o suficiente para corram suas misericórdias e rios de águas vivas passem a fluir de nosso interior. Aqui está a resposta para se destronar a indolência! Uma simples e humilde atitude de se abrir diante de Deus, para que tal atitude, se transforme num pequenino canal, por onde fluirão as misericórdias do Senhor, afinal, Sua benignidade dura para sempre!

Então… se existem mais de quarenta mil promessas, e muitos “não temas”, como poderemos herdá-los? Já notou que muitas flores se fecham durante a noite, mas, em vindo o sol logo se abrem?

Pois é, quando nos abrimos para Deus, suas misericórdias nos renovam na fé e na longanimidade, fazendo-nos esperar pacientemente no Senhor até que Suas promessas se cumpram segundo a Sua boa vontade – em nós, por nós e para nós!

Pr. Vilson Ferro Martins – Também pode ser lida em www.vozdotrono.com.br

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail