Mãe, você quer ensinar seus filhos a memorizarem a verdade?

Convidamos a Ana Rute Cavaco, esposa do pastor Tiago Cavaco, mãe de 4 crianças, para nos contar como foi que toda sua família, no prazo de um ano, memorizou 52 questões com perguntas e respostas do Catecismo da Nova Cidade.

Além de sermos incentivadas a entrarmos nesta grande aventura espiritual, ela também nos aponta para os futuros frutos de termos escondido no coração de cada membro de nossa família os princípios eternos.

Bom desfrute!

Na casa da família Cavaco todos memorizaram o Catecismo da Nova Cidade

Foi em 2013 que concordamos em decorar o catecismo na casa da família Cavaco. Digo que “concordamos” porque me recordo perfeitamente de duvidar desse desafio que o meu marido estava nos propondo. Com quatro crianças com idades compreendidas entre os 9 e os 3 anos, a ideia de decorar 52 duas perguntas e respostas (algumas delas nada curtas ou simples), parecia-me um desafio muito elevado. Mas começamos e levamos cerca de um ano para conseguir ter as 52 duas perguntas na ponta da língua.

Memorizar palavras que não se compreendem

Há quem defenda que não faz muito sentido decorar palavras que nem sempre compreendemos. Fica estranho, assim pensando por alto. Contudo, a Bíblia é um livro que nunca compreenderemos na totalidade, seja em que idade for. É por isso que as Escrituras se lêem com os olhos da fé e com a ajuda do Espírito Santo. Investir na memorização desde a tenra idade é uma espécie de investimento. Tinha mais ou menos 7 anos de idade quando decidi decorar o salmo 23 (nesta altura tinha em mente um enorme tablete de chocolate, as motivações não eram as mais espirituais). Adivinhem que salmo ainda hoje eu digo melhor, com 40 anos? É o salmo 23, pois claro. Digo que é um investimento porque quanto mais cedo exercitarmos esta capacidade de amealhar informação, mais ela ficará. Não importa se não a compreendemos na totalidade, Deus tratará de fazer esse trabalho em nós, com o passar do tempo.

4 anos depois de memorizado o Catecismo

Quatro anos depois de decoradas as 52 perguntas, continuamos a recitá-las diariamente, em parte, de forma a que não nos esqueçamos. Já vemos resultados deste esforço, quando temos de recordar a um dos filhos o que significa aquele mandamento, ou quando um filho tem uma questão específica, nós ajudamos a responder, mas também damos conosco a relembrar: “O que é que aquela pergunta do catecismo diz?…”. Decorar é armazenar um tesouro. Quantas histórias sabemos de pessoas – ainda hoje – presas por causa da sua fé, e cujo alimento que têm das Escrituras é o que têm registado na memória? Queremos ser nós pessoas que saibam responder prontamente com a Bíblia, em vez de darmos apenas uma opinião? Precisamos conhecê-la e saber onde encontrar a informação.

Como é que nós decoramos o catecismo?

Primeiro, tivemos de o traduzir, porque o “New City Catechism” está disponível na internet mas apenas em inglês. Depois, decidimos que decoraríamos uma pergunta e resposta por semana. Fazemos o culto doméstico todos os dias da semana, à exceção de domingo. Como estávamos a decorar todos juntos, primeiro memorizávamos uma frase e só passávamos à seguinte quando esta estava bem memorizada.

Quando conseguíamos ter a pergunta e resposta completa, iniciávamos o catecismo desde o início com as perguntas todas, até chegarmos à mais recente. Isto leva tempo, mas é um bom tempo em família. A verdade é que foi possível, e ainda hoje é um conteúdo que nos é muito útil recordar e relembrar.

Penso em Timóteo, cuja mãe e avó lhe ensinaram as Sagradas Escrituras desde muito cedo e tento imaginar como seria nesses tempos o ensino da Palavra de Deus. Com os recursos que temos hoje, não devemos inventar desculpas. Com a Bíblia aberta, com a liberdade de viver num lugar onde não corremos risco de vida por sermos cristãos, devemos usar e abusar das nossas capacidades e recursos, pensando sempre em investir no conhecimento do nosso Deus. Nunca é demais para nós e é um investimento precioso para as nossas crianças.

A Editora Fiel fez a primeira impressão do New City Catechism traduzida para a língua portuguesa em outubro de 2017, quando a família Cavaco memorizou o catecismo ainda não havia edição em língua portuguesa: Catecismo Nova Cidade – A Verdade de Deus para Nossos Corações e Mentes, Introdução de Timothy Keller, Organização de Colin Hansen, Editora Fiel

Por: Ana Rute Cavaco.
FonteVoltemosAoEvangelho.com.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail