A adversidade mais bem sucedida de Deus

Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai. (Filipenses 2.9-11)

O Natal foi a adversidade mais bem-sucedida de Deus. Ele sempre se deleitou em mostrar o seu poder através da aparente derrota. Ele faz retrocessos táticos para obter vitórias estratégicas.

Foram prometidos glória e poder a José em seu sonho (Gênesis 37.5-11). Mas para alcançar essa vitória ele precisou se tornar um escravo no Egito. E como se isso não bastasse, quando suas condições melhoraram por causa da sua integridade, ele foi feito pior do que um escravo: um prisioneiro.

Porém, tudo estava planejado. Pois na prisão José encontrou o copeiro de Faraó, que por fim o levou a Faraó, que o colocou sobre o Egito. Que percurso mais improvável para a glória!

Mas esse é o caminho de Deus, mesmo para o seu Filho. Ele esvaziou a si mesmo e assumiu a forma de um servo. Pior do que um servo — um prisioneiro — e foi executado. Mas, como José, ele manteve a sua integridade. “Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho” (Filipenses 2.9-10).

E esse é o caminho de Deus para nós também. A glória nos é prometida — se com ele sofremos (Romanos 8.17). O caminho para subir é descer. O caminho para frente é para trás. O caminho para o sucesso é através de adversidades divinamente nomeadas. Estas sempre serão vistas e sentidas como fracasso.

Mas se José e Jesus nos ensinam algo nesse Natal é que “Deus o tornou em bem” (Gênesis 50.20).

Vós, santos temerosos, tomai renovada coragem
As nuvens que tanto temeis
Estão cheias de misericórdia e se romperão
Derramando bênçãos sobre as vossas cabeças.

Por: John Piper.
Fonte: Voltemos ao Evangelho

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail