Aprovado por Deus!

“Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas” – 2 Coríntios 4:16-18.
Uma coisa é certa: Todo cristão passa por provas (provação e tribulação) e a medida que somos questionados por nós mesmos acerca da nossa vitória sobre as provas, uma avalanche de pensamentos podem nos fustigar, nos levando admitir que não somos aprovados; que falhamos; que um cristão de verdade deveria agir de outra maneira; e coisas do tipo. O resultado é que quase sempre nos sentimos mal e com sentimento de ter falhado.

Ocorre que “Ser aprovado na provação não significa passar pela prova e “se” aprovar, MAS, ser aprovado por Ele”.

Se procurarmos “nos aprovar” isso jamais acontecerá, pois, nossa estrutura não resiste a isso; portanto, não é ser aprovado aos nossos olhos, mas aos olhos dEle! Não aos olhos dos outros, mas aos dEle! Não aos olhos do mundo, mas aos olhos dEle.

Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas. Isso equivale dizer que enxergamos o exterior e geralmente o tratamos como falha, todavia, o Senhor prova o interior e é Ele quem nos aprova.

Vou citar três casos para um melhor entendimento:

Primeiro, Sansão, nazireu desde o ventre parece (exteriormente falando) um derrotado ao se deixar levar por uma mulher. Entretanto, seu nome consta na galeria da fé, como por Deus aprovado. (Juízes 16:28 – Hebreus 11:32).

Segundo, João Marcos abandona o apóstolo Paulo e gera uma tremenda contenda entre o apóstolo e Barnabé. Imagine a falha gritante em abandonar o apóstolo Paulo? Ele havia falhado. No entanto, tempos mais tarde o próprio apóstolo Paulo deseja que ele o auxilie! (Atos 13:13 – 15:36-40 e 2 Timóteo 4:10-11.

O terceiro, nada mais do que Pedro. Ele nega Jesus com conhecimento de causa; afinal, o próprio Jesus já o advertira que ele correria tal risco, mas, ele simplesmente ignora a advertência e comete a negação. Falha total no aspecto humano, todavia, Deus não o reprova. (Mateus 26:34 – 26:75 e João 21:15).

Assim, a questão não é ser por nós mesmos aprovado, mas, pelo Senhor e isso se dá quando mesmo falhando, não negamos o Senhor e tampouco desistimos dEle e de Sua Palavra. Nos quebrantamos, clamamos perdão e seguimos em frente como aprovados – por ELE!

Fonte:  www.vozdotrono.com.br
Por Pr. Vilson Ferro Martins

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail