Perdoa-nos e perdoa-lhes!

O Brasil é um estado laico. O que significa isso? Em uma explicação bem simples, significa que o Estado não adota uma religião oficial, não confessa uma fé.

Preceitua o artigo 5o, VI, da Constituição Brasileira (1988): é inviolável a liberdade de consciência e de crença (…). Os cidadãos são livres para professarem a religião que bem quiserem ou para não professar nenhuma. A escolha, evidentemente, é particular.

A lei não poderá obrigar o indivíduo a adotar determinada crença. Ninguém poderá ter os direitos cerceados por recusar seguir determinado segmento religioso. Ótimo que seja assim. Viva a democracia!

Por outro lado, é bom frisar que o exercício do direito não pode ser abusivo. Caso exceda manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes, cometerá ato ilícito (art. 187 do Código Civil). Portanto, os direitos daqueles que creem e daqueles que não creem devem ser respeitados, porquanto há limites.

Discussões sobre religião sempre ocorreram. O lado religioso da nação é tachado de julgador. E aqui eu concordo com essa assertiva. Parte deste grupo realmente julga e condena quem não se amolda aos seus preceitos e às suas maneiras de comportamento.
Infelizmente.

O lado cético também julga quando afirma que aqueles vivem no obscurantismo e são refratários à razão e ao progresso.
Tudo é julgamento. Ambos julgam. Não dá pra dizer que não. Nesse momento também estou fazendo um julgamento.
Mas eu quero ponderar sobre isso. O respeito mútuo é salutar. Porém, é preciso ter cuidado para que as discordâncias não caminhem para as desavenças.

Estas, para as discussões. E estas, para o sentimento de ódio. É preciso ter muito cuidado pra não se contaminar com esse sentimento destrutivo. Ambos os lados estão sujeitos a isso.

Eu fiquei pensando no protesto político ocorrido dias atrás. Colocaram até Jesus no meio da conversa. Os manifestantes gritavam: Jesus, vai tomar (…)!!! Bom, o final da frase você já sabe. Fiquei pensando que não é a primeira vez que isso aconteceu e tampouco será́ a última.

Quem não se lembra de protestos aqui no Brasil com símbolos religiosos sendo escrachados pelos manifestantes? Ou a ironia que o jornal francês Charlie Hebdo, Capa de novembro de 2012, fez com a Santíssima Trindade, O Pai, o Filho e o Espírito Santo?
Quem pesquisar na internet vai verificar o que estou dizendo. Muitas pessoas, por conta desses episódios, principalmente os cristãos, ficaram chateadas com aqueles que fizeram isso. É quase que instantâneo ficar com esse sentimento. O perigo é deixar evoluir esse sentimento.

Como o Carpinteiro agiria diante disso? Recordo que antes de Jesus chegar à Cruz do Calvário ele sofreu diversas injúrias, difamações, calúnias, xingamentos, provocações, cusparadas, agressões, espancamento e humilhações. Tiraram sua roupa e o pregaram no madeiro, levantando-o para que todos vissem.

Antes de morrer na Cruz, quase todos os discípulos o abandonaram, salvou um malfeitor crucificado que estava ao lado dele, pediu para que João cuidasse de Maria, pediu ao Pai que perdoasse aqueles que o crucificaram, sentiu falta do seu Pai (Eloí Eloí lama sabactâni), teve sede, mas deram-lhe vinagre, e bradou em alta voz antes de render o espírito: está pago, está consumado!

A dívida impagável que eu e você tínhamos foi paga.

Assim Jesus fez. Perdoou. Os discípulos de Jesus devem agir como o Mestre fez e ordenou. Ser discípulo é mais que ser religioso.
Quem é discípulo Dele deve perdoar também. Nossa dívida também era impagável. Os discípulos de Jesus devem ser inconformados com este século. Devem discordar do sistema, do movimento, das condutas, etc., porém devem amar e perdoar as pessoas.

O Mestre nos ensinou e mostrou que devemos amar os nossos inimigos. Não devemos ter inimigos, mas, se por algum motivo alguém quiser ser seu inimigo, dê-lhe água e pão se o vir precisar. Devemos orar por aqueles que nos perseguem. É assim que o Mestre ensinou.
Eles não sabem o que fazem. Realmente não sabem. Eles desconhecem o quanto Jesus os ama. Seu amor é magnífico, é insondável. Às vezes nossas atitudes não revelam isso. Por isso, eles estão agredindo Aquele que os ama. Eles fazem isso porque desconhecem que o Senhor Jesus não faz acepção de pessoas. Todos somos pecadores (nos e eles) e carecemos da graça de Deus. Deus não rejeita ninguém que vai até Ele.

Eles desconhecem que Jesus oferece água viva ao pecador sedento. Desconhecem que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo. Desconhecem que Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida. Desconhecem que Jesus é o Rei dos reis, o Todo-poderoso, o Criador de todas as coisas. O Senhor do universo. Desconhecem que Ele um dia voltará com poder e grande glória. Eles não sabem o que fazem.
Os discípulo de Jesus não devem conhecê-lo apenas de ouvir falar, mas de andar com Ele.

Portanto, se não temos transmitido as boas novas de salvação, se não temos amado e perdoado a quem nos ofende.
Perdoa-nos, Senhor Jesus! Quanto a eles, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.

(Algacir Junior 03/10/2018)

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail